Eu engulo sapo

Home  >>  categoria  >>  Eu engulo sapo

Eu engulo sapo

16
fev,2011

8

Tem dias que a gente acorda com um bolo entalado na garganta. Acorda, respira fundo e ora em pensamento:”Deus, me dê saliva o suficiente para engolir os sapos de hoje.” Mas, nossa garganta é estreita, fina e acaba se machucando, mesmo que o sapo desça por ela todo cheio de baba.

É nojento eu sei. Dá vontade de não engolir ou simplesmente fazê-lo sair pelo mesmo caminho que entrou, mas nem sempre podemos escolher o que “engolimos” e/ou “vomitamos”.
Estou aprendendo a domar meu medo e raiva. Estou aprendendo a domar meus sentimentos e continuar na brincandeira mesmo depois que ela toma atalhos e caminhos que não me agradam. As vezes é preciso topar o desafio e dançar mais um pouco em cima das brasas.
A escrita não precisa de mim para ser escrita e ter leitores para suas palavras, porém, eu preciso da escrita para viver. Meu corpo é pequeno para tudo que há em mim e eu preciso de alguma forma exteriorizá-los.
Estou com cada pedacinho do meu corpo preenchido por sentimentos e sensações. Até mesmo o coração que julgo sempre vazio está cheio. Cheio de coisas que não sei dizer ou entender. Medo, expectativas, vontades, frustração, ciumes. E os tais sapos que engulo faz tudo ficar misturado. A digestão é lenta e dolorosa e mesmo que dure somente um dia, o dia parece ter bem mais que 24 horas quando ela está acontecendo.
Descobri que esses dias são os dias em que mais aprendo. Quando lido com o que não gosto. Quando sou obrigada a tomar uma posição diante do inesperado, um inesperado nem sempre feliz ou gostoso de ser sentido e recebido.
Quando eu respirar fundo e olhar para esses dias que engoli os cururus, vou ver que o veneno que os protege preparou meu estômago para comidas mais potentes, saudáveis e fortes.
Enquanto isso, se vem um sapo, eu engulo. Engulo. As vezes até choro enquanto ele desce rasgando a minha garganta. Mas eu engulo. Engulo e aprendo.

Camila Lourenço
Anonymous disse:

HJ NÃO SEI MAIS SE É ASSIM MESMO, SE VALE A PENA ENGOLIR E FICAR POR ISSO MESMO, TENHO A IMPRESSÃO DE QUE QUEM NÃO ENGOLE, CONSEGUE SER MAIS REAL, NÃO SE PREOCUPA MUITO ISSO, SIMPLESMENTE NÃO ENGOLE O QUE NÃO QUER E PRONTO… ÁS VEZES ME PEGO PENSANDO QUE SE EU NÃO TIVESSE ENGOLIDO TANTOS, HOJE NÃO ESTARIA NESSA ESTRADA, COMO SE ESTIVESSE NUMA ENCRUZILHADA, ME PERGUNTANDO OQUE FAZER…. NÃO SEI MAIS COMO AGIR, ME PERDI, ENGOLINDO TANTOS SAPOS….

Sandrio,
Qnd criança sempre ouvi falar que a escola da vida era a dor…nunca acreditei. Provei na pele e agora posso dizer: na maioria das situações, isso é verdade.

Alexsandro
Vc está certo, ser derrotado por nosso problemas e nossos sapos é opcional. E se posso escolher,eu os venço, mesmo que tenha que engoli-los.

Cáh
Já não consigo imaginar os meus dias sem passar pelo teu blog Cáh e depois de hoje ainda gosto mais de vc. Se existe alma gêmeas, imagino que devem existir almas parentes tb…imagino que nós sejamos no mínimo almas primas.Rsr!E sim, vc está certa, talvez seja mesmo mal de Camila. Falar demais também é um dos meus mals, por isso vi que engolir alguns sapos de vez em qnd, faz bem.

Eurípedes,
Meu querido pais virtual…uma hora a gente se vê pessoalmente (ou não, pode ser via on tb ,né?) e tenho certeza que vamos trocar muitas idéias.
Você tem razão, tem muita coisa que a gente prefere as vezes ignorar que sente ou simplesmente negar. Falar delas me deixa livre pra sentir coisas boas e pra te falar a verdade, várias vezes só me sinto bem para continuar o dia depois que venho aqui e deixo minha opinião de alguma forma sobre o que me machucou! Escrever sobre os sapos teve o mesmo efeito que vomitá-los…e como me senti bem por isso!

Beijo grandão a todos!SMACK!(Tenho aprendido muito com os comentários de vocês, obrigada.)

EURÍPEDES disse:

Quanta inspiracão!! Seus textos, eles, me deixam curioso. São temas que todos nós sentimos mas não sabemos que sentimos ou negamos por não entender. E as vezes damos respostas evasivas a esses sentimentos por medo de sentirmos o que os textos realimente nos fazer sentir. Temos medo de sentir nossas fraquezas e deixamos de ser francos com nós mesmos. Camila seria um grande prazer conversar com você sobre suas inspiraçoes e aprender muitas coisas. Parabéns.

Cáh disse:

Olá Cá, como vai?

Menina, obrigada pelo comentário. Não sabia que me conhecia desde a época do post do plágio, rs. Ele foi excluido faz tempo, não porque eu ache que errei, de forma alguma, eu fiz o correto, a denúncia chegou até mim por email, fui atras do que era meu por direito e ela saiu perdendo. Não sei se teve tempo de ver o blog dela antes de ser desativado, não roubou palavras, roubou sentimentos em letras, coisas pessoas, e assinou com seu nome. Enfim, passado fica no passado. Mas que bom que se/me deu a orpotunidade, continuou por lá e gostou, seja sempre bem vinda Cá!

quanto a engolir sapos, sabe de uma coisa? É mal de Camila, cacete, como eu engulo sapo, cobra, rato, lesma e bla bla bla…. Nem sempre é bom, mas as vezes evita estragos ainda maiores… e as vezes, a gente acha que não ta engolindo, fazendo a coisa certa, e somos injustos. E eu que já falo merda pra caramba, prefiro engolir alguns tbm, quando dá.. rsrs

Um beijooo!!

Alexsandro disse:

Olá Cacá..

Realmente é uma situação em que todos nós pelo uma vez na vida já passou e se não passou..pode vir a passar algum dia,eu já passei por esta situação e mais de uma vez…
mas as vezes não tem jeito por mais doloroso e angustiante que seja temos que engoli-lo,o importante é manter a cabeça erguida e seguir em frente..tem uma frase que aprendi e do qual gosto muito de usá-la ” ter problemas na vida é inevitável,ser derrotado por eles é opcional”.

um grande beijo e fique com Deus.

Alexsandro ( primo do RJ ) rsrsrs

A escola da vida é a dor, sim tens toda a razão. e quando diz que a escrita não precisa de ti, doi, mas é uma verdade. As palavras não precisam da nossa ajuda,mas sem nós elas também não podem ser grafadas como poesia.
beijos

Mas tem fase que é preciso engolir Dave.
Na realidade, engolir sapo as vezes é um respeito a nós mesmos. Algumas respostas a vida e o tempo se encarregam de retrucar por nós, outras, a gente tem que dar, e outras, a gente tem que engolir.
Não engolir deve ser bom, mas engolir as vezes também faz bem.

Beijo!!!

Dave disse:

Eu não engulo mais. Na verdade desaprendi. Treinei tanto e aprendi tanto a retrucar, devolver e não aceitar aquilo que me é imposto, que… Não engulo mais. E não engolir… Faz um bem danado!

Beijo.