O presente mais presente

Home  >>  categoria  >>  O presente mais presente

O presente mais presente

1
mar,2011

4

A primeira vez que você me salvou eu era só uma garotinha. Meus pés estavam machucados, minhas mãos também. Você me pegou no colo e sentou comigo no banco da praça. Pegou um espinho e furou a própria mão para que minha mão não sangrasse sozinha e me disse a palavra “pra sempre”, e naquele dia, eu comecei entender de eternidade.
A segunda vez eu estava amarrotada e caída, havia queimaduras e hematomas por toda parte, e você como um polvo meio troncho veio com suas seis mãos e me levantou, limpou meus olhos, tratou meus machucados com metiolati ardido e me fez ficar de pé e aprender pisar no chão com os pés cheio de chagas. Não me adulou, nem me carregou. Só me obrigou a andar mesmo machucada. Nesse dia eu aprendi que a vida sempre continua apesar de…
Na terceira e na quarta eu estava caindo no buraco negro. Você ouviu minha voz na mente e me segurou pelos cabelos. Dessa vez não passou nenhum remédio que me doesse nem me obrigou ficar de pé sozinha. Me pegou no colo e cantou pra mim a música mais feia, aquela que me faria rir. E me olhou com aquele olho que dizia sem falar: “tudo vai ficar bem, eu tô aqui”.
Você já me salvou também com seus “bom dia” coloridos, com sua mania de contar histórias e acreditar em Peter Pan.
Quando parecia o Mike Tyson de tão grande e grosseirão eu ficava com medo, e você vinha e me ensinava como bater mais forte quando eu levantasse do nocaute.
Você me obrigou dançar mesmo tendo pisado em cacos de vidro.
Sorrir mesmo com o rosto todo inchado da noite mal dormida.
A ficar no telefone sem fazer nada além de fungar e soluçar.
E ser feliz quando o que queria era desistir.
Eu te salvei também algumas vezes, mas o que importa se depois de você eu encontrei a verdadeira escrita dentro do bombom?
Tudo bem. Hoje eu entendo o que é sorrir pra dentro, ver arco-íris em céu tampado, atenção nas imitações desengonçadas, cumplicidade em almoços com conversas debochadas, companheirismo contra corações de gelo, e ver o ser humano através dos erros.
Com você eu aprendi ser companhia no coração.
Tudo bem que você tenha vários nomes e ganhe outros tantos mais a medida que a vida for seguindo. Não me importo. Meu coração te reconhece com um só nome, e esse já tem tempo que está tatuado na minha alma…Amigo!

Camila Lourenço

Anonymous disse:

Também ia comentar, mas desisti!!! :

Anonymous disse:

Eu IA comentar,mas não vou ¬¬ hunf

Cáh disse:

Acho que agora entendi mais um pouco do que falou!

Ah, e depois de TUDO e mais um pouco, a Wendy aqui adora vc! hahaha, Pq só vc me liga cantando “Adocica meu amor, adocica” pra que eu pare de chorar.

Deus Esteja Cá!