‘Desatar os nós que enlaçam atos e motivos. Fazer as coisas por impulso. Por que? Porque às vezes é bom a gente mostrar pra si mesmo quem é que manda aqui.”|Martha Medeiros|

O mesmo impulso que as vezes te revela e te coloca vulnerável é o mesmo que entre supapos, porradas e beijos conquista seu espaço e te leva exatamente para dentro do peito daqueles que te percebem.
Porque se ser apático fosse algo “apaixonável” todo mundo compraria uma samambaia para namorar.
Graças a Deus que a gente ainda sabe ser gente. De sangue esquentado, de risada fácil (ou não) e com um coração pulsando forte no peito, nos lembrando a cada batida que a gente está é vivo mesmo.

Camila Lourenço