Alguém
Embalou seu sono quando você era apenas um bebê (alguém do seu sangue, ou talvez não, mas isso pouco importa).
Sorriu ao te ver dar os primeiros passinhos e te incentivou ir um pouco mais adiante.
Alguém de cabelos brancos babou mais em você do que você jamais sonhou em babar por qualquer garota(o), mesmo que ela fosse a própria reencarnação melhorada da Angelina Jolie e Juliana Paes, ou do Thiago Lacerda e Reinaldo Gianecchini.
Alguém.
Teve orgulho de te ouvir falar ‘titia'(o).
Chorou quando te ouviu balbuciar “papai, mamãe”
Quis que você fosse sempre o primeiro a brincar com aquele brinquedo que ganhou de natal.
Te suportou quando nem mesmo você se suportava, limpou suas cacas, trocou sua fralda, te deu dinheiro para ir naquela festa que você mal esperava a hora de acontecer.
Alguém.
Leu pra você a primeira frase do livro que você sonhava com as gravuras.
Te ensinou que era feio e pecado pegar o que não era seu, brincar com a comida, brigar com o maninho ou o coleguinha da escola, pegar todos os brinquedos, dormir sem falar com o Papai do céu.
Ficou um(ou vários) dias sem roupa nova para que você conseguisse enfim aquele tênis que tanto falava.
Vibrou com cada conquista sua, mesmo que fosse tão somente conseguir fazer xixi no vaso sem precisar de ajuda.
Vai estar sempre de braços abertos para te receber, você sendo ou não o homem ou a mulher mais bem sucedida do mundo, você sendo ou não perfeitinho e tendo feito tudo certo, você sendo casado ou eterno(a) solteirão.
No espaço deste alguém, nunca houve tanta coisa que não pudesse ser deixada de lado se o caso em questão fosse arrumar um espacinho pra você.
Esse alguém na realidade são “alguéns”. Esses alguéns, chamam-se família.
Pra onde você olha quando tudo vai mal.
Pra onde você corre quando o mundo parece ruir.
Onde, o lugar jamais será pequeno demais para não caber você!

Camila Lourenço