“Tá vendo essa cicatriz aqui? Exibo-a com orgulho. Ela me lembra todos os dias o que sou capaz de superar.

As arranhaduras das minhas paredes são as frestas que deixam a água da vida me regar por dentro. Por isso, jamais me consertei por completo.
E isso nunca foi uma maldição, porque jamais deixou de ser benção.
São nossos rastros deixados que levam até nós quem e o quê precisam chegar. Só cuido para deixar as pedras que ficaram para trás, para trás.
Camila Lourenço