Depois de dois dias com o site fora do ar (desespero), estou de volta (ufa!).

Semana passada falei sobre o #Desafio40, que lancei à Lud Castro e à Karen.

Bem, hoje completam 9 dias de desafio e eu tenho algumas considerações a fazer sobre minhas maiores dificuldades no desafio e os benefícios que tenho percebido.

Dificuldades:

– Encontrar quem tire a foto.

Por mais incrível que pareça, a minha maior dificuldade não têm sido montar os looks, e sim, encontrar quem tire a foto. Como nem sempre tem algum amigo ou familiar disponível para fazer esse favorzinho, abordei estranhos na rua umas quatro vezes nesses nove dias.

A solução que encontrei pra isso foi: vou fazer amizade com esses desconhecidos que tirar a foto, e começar falar sobre eles nas fotos, mesmo que seja um pouquinho.

– Diagramação da foto

Não gosto de foto com bordas, como aplicativos como o Instasize costumam deixar. Raramente as uso. Então têm sido um desafio encontrar a pose perfeita pra me caber completa na telinha do Instagram.

 Benefício:

– O desafio me obriga a prestar atenção em mim todos os dias.

Nem todo dia é bom. Nem sempre estamos com bom humor, nos achando linda ou disposta. O #desafio40 têm me obrigado a pensar em mim mesmo nesses dias. E tirar um tempo para cuidar de mim com atenção. Como eu TENHO que fazer um look por dia, todos os dias estou me arrumando. Isso têm me feito me encarar com mais tempo e amor todos os dias o meu reflexo no espelho.

 Aprendizado:

Planejamento

– Mulher sempre demora em sua arrumação. Comigo não é diferente. Acontece que dessa vez eu tenho que estar apresentável para tirar uma foto, e quase sempre, saio em cima da hora de casa, o que dificulta na produção.

Pra resolver isso, arrumei meu guarda-roupas com looks prévios, combinações que olhei com tempo, coisa que em cima da hora, eu não conseguiria fazer.

 

Abaixo, todos os looks usados por mim, Lud  (insta e Face) e Karen (Blog, insta e Face). A Karen perdeu sua avó essa semana, por isso tem só três fotos.

E agora um texto do Enquanto você não vem pra essa semana, que eu decidi, será recheada de gratidão.

 

 

Pra hoje pra todos os amanhãs também.

Amor como começo, meio e fim.

 

Hoje quero nada mais que abraços profundos onde as batidas dos corações fazem uníssono.

Sorrisos florindo e os corações acontecendo. Porque primaveras enclausuradas, que não acontecem, me cansam. E gente de uma estação só também.

Quero o doce do sabor da infância no paladar do idoso. O frio na barriga pela descoberta do agora, nas sensações dos que já julgam dominar a vida.

A simplicidade do encontro como tema chave de uma vida pautada pelo oposto dele.

Hoje quero o amor como chuva fina da qual não se precisa correr, que desalinha os cabelos, refresca o corpo e nos relembra o quanto é simples ser feliz.

Hoje quero a coragem para desbravar o desconhecido e uma tarde feita da delicadeza dos detalhes que a vida oferece e que os grandes feitos engolem.

Quero o amor como meio, começo e fim, ou fim, meio, começo, bem assim, em desalinho, pra pegar desavisado todo e qualquer medroso que venha surgir.

Hoje, amanhã e todos os outros amanhãs, quero a consciência de ser feliz agora. O amanhã, a gente escreve.

 

Continuem ligados no site que a não ser que aconteça algum imprevisto (como essa semana), toda segunda, quarta e sexta tem postagem. 🙂