Ontem tomei banho de chuva, senti a água molhar meus cabelos, minha roupa, meu sapato… andei na rua cheia de enxurrada, e, pela primeira vez não foi bom. E nem foi por culpa da chuva, que era igual a ultima que me arrancou risadas… era eu mesmo.

Comecei relembrar de todas as minhas crenças de que somos nós que escolhemos como ficar,e o que mais me espantou, é que eu realmente queria ficar daquele jeito…ter aquele meu momento de saborear as coisas de outra forma.
Eu precisava ficar sozinha para me acostumar de novo a ser sozinha. Começar digitar nomes estranhos no youtube para ver se descobria músicas que não conheço e que vou adorar sozinha, já que não posso mais sentar no meio fio com uma amiga para que ela me mostre.
Começar a assistir seriados americanos de comédia para aprender um monte de besteira que eu aprenderia com os amigos que se foram pra longe.
É, eu precisava passar horas me xingando, sim, me xingando, e me prometendo um ‘monte’ de coisas para não errar mais os mesmos erros.
Eu precisava me livrar de tudo que estava me fazendo mal e olhar para o espelho.. me encarar e me acostumar com o reflexo ali,sozinho.
Precisava fazer tudo isso, porque eu sempre preciso ter meu momento de luto pelas coisas, crenças e/ou pessoas que morrem em mim.
Eu precisava sentir o chão, pegar na terra, na grama, encostar o rosto no chão frio e deitar encolhida, abraçando as pernas…eu precisava disso!
Só fazendo tudo isso é que eu consigo me lembrar que “basta ser sincero e desejar profundo pra sermos capazes de sacudir o mundo”, começando por nós mesmos!
Depois de tudo,agora eu só vou fazer um pedido:”Deus, que eu cometa novos erros,pois as lições dos velhos(erros) eu acho que já aprendi!”
Eu precisava desse meu momento e agora que tive, já estou pronta para tentar e acreditar em tudo outra vez!

Camila Lourenço