Pra ler ao som de:

Eu só quero que você saiba que ainda trago seu retrato guardado, na mente e na 5º gaveta do meu aparador. Que ainda guardo o frasco que você deixou do perfume que te dei e você nunca terminou.

Só quero que você saiba que ainda releio as suas cartas amareladas e amassadas, que ainda guardo os rascunhos que nunca te enviei. Que ainda guardo o gosto amargo do seu abandono. Não abandono a mim e ao meu amor, porque disso nem você nem ninguém pode ser considerado culpado. Eu amargo seu abandono da nossa confiança, cumplicidade e amizade. O abandono do nosso elo, que de tão lindo, profundo e puro, foi largado no meio da estrada, pisoteado em frente a multidão, foi cuspido em via pública, maldito em rede nacional e traído em uma via sem mão dupla.

Eu só quero que você saiba que tentei desaprender a ser leal, mas mesmo que eu tenha tentado te devolver o gosto agre, ainda trago todos seus segredos, os nosso segredos, guardados a sete chaves. Não maldigo seu nome, te trago num santuário no peito, mesmo você tendo colocado a nossa história em meio a brasas.

Eu só quero que você saiba que perdoo suas mentiras, aceito as desculpas que você nunca pediu. Que eu desato o nó que nos ata só pra garantir que você será feliz, que eu serei feliz sem trazer no peito o amargo da mágoa não abandonada.

Eu só quero que você saiba que eu sei que amores vêm e vão, como diz a canção, e que eu entendo e respeito isso, e tampouco te odeio por seu amor ter enterrado o meu numa tumba fria sozinho. O que não dá pra entender é humanidade jogada no ralo, fé pisoteada na lama.

Mas ainda assim, eu quero que você saiba que eu vou seguir. E minha história será mais linda porque nela a nossa um dia se desenhou. Que o meu esteio será mais forte porque um dia você o derrubou. E que entre os jornais que eu abrir daqui pra frente, em cada parágrafo eu procurarei algum motivo para me lembrar de nunca mais me anular, de nunca mais me trocar, me abandonar por algum amor qualquer, ainda que seja o seu.

Eu só quero que você saiba que dentre sapatos espalhados na sala, toalha na cama, prato na pia, esperança no vão, o que ficou é que durante um tempo nosso amor valeu a pena. E isso, eu quero que você saiba, que mesmo em meio a cinzas, basta.

Eu quero que você saiba que eu sempre lhe terei gratidão.
Namastê.

 

(Foto: Alexandre Cavarzan)