De nada adianta ter o melhor emprego, o melhor namorado e todo o dinheiro do mundo se a sua alma/coração não está em paz.
A satisfação pessoal não está em um beijo demorado ou um abraço apertado, por mais que  ambos façam bem.
Não está também em um carro importado e em uma casa linda e mobiliada, embora isso seja o sonho de todos.
Muito menos está numa conta bancária com inúmeros zeros no final, embora ninguém jamais venha recusar uma assim.
A satisfação pessoal, a paz e felicidade procurada e ansiada por todos está em nós mesmos.
De nada adianta uma conta recheada, a melhor casa, o melhor carro e o melhor namorado(a)/esposo(a). Se você não consegue calar seus medos e fantasmas interiores, de nada vai adiantar todo o bem do mundo batendo na sua porta.
Só quando olhamos pra nós mesmos e  nos vermos tais quais como somos, e nos aceitarmos, nos perdoarmos e amarmos é que todo o resto deixa de ser resto.
Alguns chamam esse colírio que limpa a retina e faz  esse “milagre” de Eu superior, energia, universo. Eu chamo de Deus e foi a Ele que recorri quando estava assim.
Ele NUNCA apareceu em uma cadeira pra trocarmos conversa. NUNCA  respondeu audivelmente a nenhuma das minhas perguntas. NUNCA pegou minha mão quando eu estava me sentindo sozinha, perdida na multidão. No entanto, não houve uma só vez que seu silêncio em forma de resposta não tenha iluminado o caminho para o qual eu devia olhar.
Experimente tentar. E se de tudo sua força não caiba isso, pegue só a sua última luzinha chamada fé (em sei lá o quê, o que vale é acreditar) e aponte pra onde você quer ir.
A vida é como uma rua escura iluminada por um único poste. Vemos melhor aquilo sobre o qual o poste está. Ilumine o que realmente importa pra você e a partir daí, caminhe.

“one of Us – Joan Osborne”

Camila Lourenço