As vezes a gente tem que só mudar o rumo mesmo. Tirar os pés das correntes que por conta própria colocamos e olharmos pra quem nunca deveríamos ter esquecido: nós mesmos.
Alguns chamam isso de individualismo. Na minha língua, ele atende por amor-próprio.
Camila Lourenço