Eu te amo e eu sei que nem sempre há sanidade nisso.
Te amo porque você me faz rir. Te amo porque me faz surtar. (Mentira, não te amo por isso.)
Te amo porque te amo. Te amo porque te odeio.
Te amo porque você me inspira. Te amo porque você dá minha inspiração como comida para a ansiedade.
Te amo porque você me faz bem. E te amo até quando você me faz mal. /o
Te amo porque seus olhinhos brilham quando me veem.
Te amo porque meu rosto cora quando você me encara descaradamente.
Eu te amo porque você é imperfeito.
Te odeio porque te quero mais do que cabe em mim e te amo pelo mesmo motivo.
Eu te amo porque em você eu sumo. Te amo porque em você me acho.
Te amo porque boa parte disso tudo ainda não vivi.
Te amo porque há coisas vividas entre nós que não preciso contar.
Te amo porque eu quero você na minha lista, seu nome no meu livro, sua grafia no meu corpo, sua mão construindo minha história.
Te amo porque você me termina.
Te amo porque eu te continuo.
Eu te amo porque preciso amar. E eu te amo porque também posso muito bem viver sem isso de amor. eu acho.
Eu te amo porque quero. Te amo porque não quero.
Te amo porque é fácil te amar. Te amo porque é difícil manter esse amor.
Te amo porque você tem cérebro (e o usa).
Te amo porque você me fascina.
Te amo porque te amo.
Te amo porque você existe, e agora, eu sei.

“Porque eu sei que é amor – Titãs”

Camila Lourenço