“E quem me vê apanhando da vida, duvida que eu vá revidar…” Chico Buarque

Como disse Shackespeare, com o tempo a gente aprende. Aprende mesmo. Muita coisa.
Aprende que é melhor estar no volante da própria vida que no banco do passageiro.
Que somos fortes não porque nada nos abala, mas sim porque sabemos que temos capacidade de superar o que nos tira o chão.
Aprende a não dar-se por fiado nem fazer desconto pra que levem a nós mesmos, assim, sem merecer. E deixamos de ser generosos e paramos de dar frutos pra quem não planta nenhuma muda sequer.
Com o tempo aprendemos a conviver com os caroços no coração e descobrimos que não iremos morrer se não for a hora. Ou seja, tem coisas que podem doer o tanto que for, que não vão nos matar, e iremos até aprender fazer alguma coisa de útil com aquela dor.
Aprendemos que sentir saudade do que não temos é uma coisa idiota, mas que provavelmente, continuaremos sentindo.
Com o tempo a gente aprende a ser gente com a gente mesmo. E de todos os aprendizados, esse é o mais importante.

Camila Lourenço

(Obrigada Camila Heloise, pela imagem e por tantos aprendizados que me passa por tabela através de seus textos, e Sandrio, pela forma tão carinhosa e protetora com que se referiu a mim em seu blog. À todos que estão sempre passando por aqui, o meu muuuito obrigada!!! Saber esses olhinhos neste espaço me lembra o que é ganhar. Um beijo!)